Escrito por Breno Mendes

Jornalista, radialista e educomunicadora Jocasta Pimentel Araújo é uma das palestrantes do Muticom. Ela abordará o tema central “Educomunicação” em palestra no sábado, 3, às 10h30

Teresa Fernandes
Jornalista
Correio da Semana

Comunicadores de todo o Ceará estarão reunidos em Sobral entre os dias 2 e 4 de março para a 3º edição do Muticom, o Mutirão de Comunicação do Regional Nordeste 1 da CNBB (Conferência Nacional dos Bispos do Brasil). As inscrições já estão abertas e podem ser feitas até o dia 23 de fevereiro pelo site muticomne1.com/inscricoes. Estão disponibilizadas 200 vagas.jocasta pimentel
O tema deste ano “Educar para comunicar” será trabalhado por meio de palestras, oficinas e cases. Segundo os organizadores do evento, o 3º Muticom tem como destaque a dimensão da educomunicação, visando a integração e o aprimoramento dos agentes pastorais e profissionais da comunicação, a fim de utilizar melhor as mídias digitais e outros instrumentos de comunicação, no intuito de levar a Boa Nova e dinamizar cada vez mais a Ação Evangelizadora de nosso Regional.
A jornalista, radialista e educomunicadora Jocasta Pimentel Araújo é uma das palestrantes do Muticom. Ela abordará o tema central “Educomunicação” em palestra no sábado, 3, às 10h30. Graduada em Comunicação Social com habilitação em Jornalismo pela Fanor-Devry Brasil, especialista em Cultura e Meios de Comunicação pela PUC-SP, pós-graduada em Teorias da Comunicação e da Imagem, pela Universidade Federal do Ceará - UFC. Jocasta já atuou em rádios dos Sistemas Jangadeiro e Verdes Mares atualmente é apresentadora do programa Informativo Dom Bosco, na Rádio Dom Bosco 96,1 em Fortaleza-CE. Pesquisa sobre a área da Educomunicação, com dois artigos publicados sobre o assunto.


Confira entrevista completa com a Jornalista Jocasta Pimentel:
1. Qual a importância do Muticom para a discussão da comunicação, de forma especial nos veículos católicos?
O Muticom é um espaço de encontro e partilha de temas do campo da comunicação. Acredito que o evento tornou-se uma referência no sentido de discutir os anseios da Igreja no que se refere ao fazer comunicação. Pastorais, movimentos e, principalmente, os veículos católicos devem dominar não somente técnicas e tecnologias, mas aprimorar o formato do conteúdo compartilhado. O Muticom deve fomentar esses debates e apontar diretrizes e alternativas que podem ser adotadas pelos comunicadores católicos.
2. A Educomunicação é uma vertente crescente dentro da comunicação católica? Como se dá essa integração entre a comunicação e a educação?
A Educomunicação é um campo que emergiu das áreas da Educação e Comunicação. Como prática, percebo que a comunicação católica ainda não se apropriou da educomunicação como deveria. A Educomunicação é um conceito relativamente “novo” no Brasil, mas há estudos e teorias bem desenvolvidas, por exemplo, na USP-SP, que é uma referência e até oferece uma graduação exclusiva de Educomunicação. Os chamados “ecossistemas comunicativos” – conceito adotado pelo Prof. Ismar de Oliveira – podem ser desenvolvidos em qualquer espaço, para além do ambiente educativo formal. Sendo assim, não somente escolas, mas grupos, movimentos e pastorais católicas também podem desenvolver práticas educomunicativas.
3. Quais os principais pontos devem ser abordados em sua palestra sobre Educomunicação?
Pretendo abordar o conceito, as teorias e oferecer bases práticas para que o público do Muticom possa desenvolver a Educomunicação em suas realidades locais.
Serviço:
3° Mutirão de Comunicação do Regional Nordeste I – Muticom
Local: Centro de Treinamento de Sobral – Avenida da Universidade, 870.
Inscrições: Através do endereço multicomne1.com/inscricoes

Categoria: